"Ave Senhora, Rainha santa, santa Mãe de Deus Maria, que és virgem feita Igreja. E escolhida pelo santíssimo Pai do céu, que Ele consagrou com seu santíssimo dileto Filho e com o Espírito Santo Paráclito, na qual esteve e está toda a plenitude da graça e todo bem. Ave, palácio dele; ave tabernáculo dele; ave casa dele. Ave veste dele: ave serva dele; ave mãe dele. E vós todas santas virtudes, que pela graça e iluminação do Espírito Santo sois infundidas nos corações dos fiéis, para que os façais de infiéis fiéis a Deus."

(São Francisco de Assis Saudação da B. Virgem Maria)


sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Maria, Mãe de Deus

Maria, Mãe de Deus

Theotokos - título criado pelos cristãos

 

A contemplação do mistério do nascimento do Salvador tem levado o povo cristão não só a dirigir-se à Virgem Santa como à Mãe de Jesus, mas também a reconhecê-la como Mãe de Deus. Essa verdade foi aprofundada e compreendida como pertencente ao patrimônio da fé da Igreja, já desde os primeiros séculos da era cristã, até ser solenemente proclamada pelo Concílio de Éfeso no ano 431.
Na primeira comunidade cristã, enquanto cresce entre os discípulos a consciência de que Jesus é o filho de Deus, resulta bem mais claro que Maria é a Theotokos, a Mãe de Deus. Trata-se de um título que não aparece explicitamente nos textos evangélicos, embora eles recordem “a Mãe de Jesus” e afirmem que ele é Deus (Jô. 20,28; cf. 05,18; 10,30.33). Em todo o caso, Maria é apresentada como Mãe do Emanuel, que significa Deus conosco (cf. mt. 01,22-23).
Já no século III, como se deduz de um antigo testemunho escrito, os cristãos do Egito dirigiam-se a Maria com esta oração: “Sob a vossa proteção procuramos refúgio, santa Mãe de Deus: não desprezeis as súplicas de nós, que estamos na prova, e livrai-nos de todo perigo, ó Virgem gloriosa e bendita” (Da Liturgia das Horas). Neste antigo testemunho a expressão Theotokos, “Mãe de Deus”, aparece pela primeira vez de forma explícita.
Na mitologia pagã, acontecia com freqüência que alguma deusa fosse apresentada como Mãe de um deus. Zeus, por exemplo, deus supremo, tinha por Mãe a deusa Reia. Esse contexto facilitou talvez, entre os cristãos, o uso do título “Theotokos”, “Mãe de Deus”, para a Mãe de Jesus. Contudo, é preciso notar que este título não existia, mas foi criado pelos cristãos, para exprimir uma fé que não tinha nada a ver com a mitologia pagã, a fé na concepção virginal, no seio de Maria, d’Aquele que desde sempre era o Verbo Eterno de Deus.
No século IV, o termo Theotokos é já de uso freqüente no Oriente e no Ocidente. A piedade e a teologia fazem referência, de modo cada vez mais freqüente, a esse termo, já entrado no patrimônio de fé da Igreja.
Compreende-se, por isso, o grande movimento de protesto, que se manifestou no século V, quando Nestório pôs em dúvida a legitimidade do título “Mãe de Deus”. Ele de fato, propenso a considerar Maria somente como Mãe do homem Jesus, afirmava que só era doutrinalmente correta a expressão “Mãe de Cristo”. Nestório era induzido a este erro pela sua dificuldade de admitir a unidade da pessoa de Cristo, e pela interpretação errônea da distinção entre as duas naturezas – divina e humana – presentes n’Ele.
O Concílio de Éfeso, no ano 431, condenou as suas teses e, afirmando a subsistência da natureza divina e da natureza humana na única pessoa do Filho, proclamou Maria Mãe de Deus.
As dificuldades e as objeções apresentadas por Nestório oferecem-nos agora a ocasião para algumas reflexões úteis, a fim de compreendermos e interpretarmos de modo correto esse título.
A expressão Theotokos, que literalmente significa “aquela que gerou Deus”, à primeira vista pode resultar surpreendente; suscita, com efeito, a questão sobre como é possível que uma criatura humana gere Deus. A resposta da fé da Igreja é clara: a maternidade divina de Maria refere-se só a geração humana do Filho de Deus e não, ao contrário, à sua geração divina. O Filho de Deus foi desde sempre gerado por Deus Pai e é-Lhe consubstancial. Nesta geração eterna Maria não desempenha, evidentemente, nenhum papel. O Filho de Deus, porém, há dois mil anos, assumiu a nossa natureza humana e foi então concebido e dado à luz Maria.
Proclamando Maria “Mãe de Deus”, a Igreja quer, portanto, afirmar que Ela é a “Mãe do Verbo encarnado, que é Deus”. Por isso, a sua maternidade não se refere a toda a Trindade, mas unicamente à segunda Pessoa, ao Filho que, ao encarnar-se, assumiu dela a natureza humana.
A maternidade é relação entre pessoa e pessoa: uma mãe não é Mãe apenas do corpo ou da criatura física saída do seu seio, mas da pessoa que ela gera. Maria, portanto, tendo gerado segundo a natureza humana a pessoa de Jesus, que é a pessoa divina, é Mãe de Deus.
Ao proclamar Maria “Mãe de Deus”, a Igreja professa com uma única expressão a sua fé acerca do Filho e da Mãe. Esta união emerge já no Concílio de Éfeso; com a definição da maternidade divina de Maria, os Padres queriam evidenciar a sua fé a divindade de Cristo. Não obstante as objeções, antigas e recentes, acerca da oportunidade de atribuir este título a Maria, os cristãos de todos os tempos, interpretando corretamente o significado dessa maternidade, tornaram-no uma expressão privilegiada da sua fé na divindade de Cristo e do seu amor para com a Virgem.
Na Theotokos a Igreja, por um lado reconhece a garantia da realidade da Encarnação, porque – como afirma Santo Agostinho – “se a Mãe fosse fictícia seria fictícia também a carne... fictícia seriam as cicatrizes da ressurreição” (Tract. In Ev. loannis, 8,6-7). E, por outro, ela contempla com admiração e celebra com veneração a imensa grandeza conferida a Maria por Aquele que quis ser seu filho. A expressão “Mãe de Deus” remete ao Verbo de Deus que, na Encarnação, assumiu a humildade da condição humana, para elevar o homem à filiação divina. Mas esse título, à luz da dignidade sublime conferida à Virgem de Nazaré, proclama, também, a nobreza da mulher e sua altíssima vocação. Com efeito, Deus trata Maria como pessoa livre e responsável, e não realiza a Encarnação de seu Filho senão depois de ter obtido o seu consentimento.
Seguindo o exemplo dos antigos cristãos do Egito, os fiéis entregam-se Àquela que, sendo Mãe de Deus, pôde obter do divino Filho as graças da libertação dos perigos e da salvação eterna. 

Extraído do livro A virgem Maria
João Paulo II

MENSAGEM DO PAPA BENTO XVI PARA A CELEBRAÇÃO DO DIA MUNDIAL DA PAZ



LIBERDADE RELIGIOSA, CAMINHO PARA A PAZ


1° de Janeirode 2011


NO INÍCIO DE UM ANO NOVO, desejo fazer chegar a todos e cada um os meus votos: votos de serenidade e prosperidade, mas sobretudo votos de paz. Infelizmente também o ano que encerra as portas esteve marcado pela perseguição, pela discriminação, por terríveis actos de violência e de intolerância religiosa.
Penso, em particular, na amada terra do Iraque, que, no seu caminho para a desejada estabilidade e reconciliação, continua a ser cenário de violências e atentados. Recordo as recentes tribulações da comunidade cristã, e de modo especial o vil ataque contra a catedral siro-católica de «Nossa Senhora do Perpétuo Socorro» em Bagdad, onde, no passado dia 31 de Outubro, foram assassinados dois sacerdotes e mais de cinquenta fiéis, quando se encontravam reunidos para a celebração da Santa Missa. A este ataque seguiram-se outros nos dias sucessivos, inclusive contra casas privadas, gerando medo na comunidade cristã e o desejo, por parte de muitos dos seus membros, de emigrar à procura de melhores condições de vida. Manifesto-lhes a minha solidariedade e a da Igreja inteira, sentimento que ainda recentemente teve uma concreta expressão na Assembleia Especial para o Médio Oriente do Sínodo dos Bispos, a qual encorajou as comunidades católicas no Iraque e em todo o Médio Oriente a viverem a comunhão e continuarem a oferecer um decidido testemunho de fé naquelas terras.
Agradeço vivamente aos governos que se esforçam por aliviar os sofrimentos destes irmãos em humanidade e convido os católicos a orarem pelos seus irmãos na fé que padecem violências e intolerâncias e a serem solidários com eles. Neste contexto, achei particularmente oportuno partilhar com todos vós algumas reflexões sobre a liberdade religiosa, caminho para a paz. De facto, é doloroso constatar que, em algumas regiões do mundo, não é possível professar e exprimir livremente a própria religião sem pôr em risco a vida e a liberdade pessoal. Noutras regiões, há formas mais silenciosas e sofisticadas de preconceito e oposição contra os crentes e os símbolos religiosos. Os cristãos são, actualmente, o grupo religioso que padece o maior número de perseguições devido à própria fé. Muitos suportam diariamente ofensas e vivem frequentemente em sobressalto por causa da sua procura da verdade, da sua fé em Jesus Cristo e do seu apelo sincero para que seja reconhecida a liberdade religiosa. Não se pode aceitar nada disto, porque constitui uma ofensa a Deus e à dignidade humana; além disso, é uma ameaça à segurança e à paz e impede a realização de um desenvolvimento humano autêntico e integral.[1]
De facto, na liberdade religiosa exprime-se a especificidade da pessoa humana, que, por ela, pode orientar a própria vida pessoal e social para Deus, a cuja luz se compreendem plenamente a identidade, o sentido e o fim da pessoa. Negar ou limitar arbitrariamente esta liberdade significa cultivar uma visão redutiva da pessoa humana; obscurecer a função pública da religião significa gerar uma sociedade injusta, porque esta seria desproporcionada à verdadeira natureza da pessoa; isto significa tornar impossível a afirmação de uma paz autêntica e duradoura para toda a família humana.
Por isso, exorto os homens e mulheres de boa vontade a renovarem o seu compromisso pela construção de um mundo onde todos sejam livres para professar a sua própria religião ou a sua fé e viver o seu amor a Deus com todo o coração, toda a alma e toda a mente (cf. Mt 22, 37). Este é o sentimento que inspira e guia a Mensagem para o XLIV Dia Mundial da Paz, dedicada ao tema: Liberdade religiosa, caminho para a paz. (...)
A família, escola de liberdade e de paz
Se a liberdade religiosa é caminho para a paz, a educação religiosa é estrada privilegiada para habilitar as novas gerações a reconhecerem no outro o seu próprio irmão e a sua própria irmã, com quem caminhar juntos e colaborar para que todos se sintam membros vivos de uma mesma família humana, da qual ninguém deve ser excluído.
A família fundada sobre o matrimónio, expressão de união íntima e de complementaridade entre um homem e uma mulher, insere-se neste contexto como a primeira escola de formação e de crescimento social, cultural, moral e espiritual dos filhos, que deveriam encontrar sempre no pai e na mãe as primeiras testemunhas de uma vida orientada para a busca da verdade e para o amor de Deus. Os próprios pais deveriam ser sempre livres para transmitir, sem constrições e responsavelmente, o próprio património de fé, de valores e de cultura aos filhos. A família, primeira célula da sociedade humana, permanece o âmbito primário de formação para relações harmoniosas a todos os níveis de convivência humana, nacional e internacional. Esta é a estrada que se há-de sapientemente percorrer para a construção de um tecido social robusto e solidário, para preparar os jovens à assunção das próprias responsabilidades na vida, numa sociedade livre, num espírito de compreensão e de paz.
Liberdade religiosa, caminho para a paz

15. O mundo tem necessidade de Deus; tem necessidade de valores éticos e espirituais, universais e compartilhados, e a religião pode oferecer uma contribuição preciosa na sua busca, para a construção de uma ordem social justa e pacífica a nível nacional e internacional.

A paz é um dom de Deus e, ao mesmo tempo, um projecto a realizar, nunca totalmente cumprido. Uma sociedade reconciliada com Deus está mais perto da paz, que não é simples ausência de guerra, nem mero fruto do predomínio militar ou económico, e menos ainda de astúcias enganadoras ou de hábeis manipulações. Pelo contrário, a paz é o resultado de um processo de purificação e elevação cultural, moral e espiritual de cada pessoa e povo, no qual a dignidade humana é plenamente respeitada. Convido todos aqueles que desejam tornar-se obreiros de paz e sobretudo os jovens a prestarem ouvidos à própria voz interior, para encontrar em Deus a referência estável para a conquista de uma liberdade autêntica, a força inesgotável para orientar o mundo com um espírito novo, capaz de não repetir os erros do passado. Como ensina o Servo de Deus Papa Paulo VI, a cuja sabedoria e clarividência se deve a instituição do Dia Mundial da Paz, «é preciso, antes de mais nada, proporcionar à Paz outras armas, que não aquelas que se destinam a matar e a exterminar a humanidade. São necessárias sobretudo as armas morais, que dão força e prestígio ao direito internacional; aquela arma, em primeiro lugar, da observância dos pactos».[18] A liberdade religiosa é uma autêntica arma da paz, com uma missão histórica e profética. De facto, ela valoriza e faz frutificar as qualidades e potencialidades mais profundas da pessoa humana, capazes de mudar e tornar melhor o mundo; consente alimentar a esperança num futuro de justiça e de paz, mesmo diante das graves injustiças e das misérias materiais e morais. Que todos os homens e as sociedades aos diversos níveis e nos vários ângulos da terra possam brevemente experimentar aliberdade religiosa, caminho para a paz!

Vaticano, 8 de Dezembro de 2010.

BENEDICTUS PP XVI

(Fonte: http://www.franciscanos.org.br/v3/vidacrista/documentos/index48.php )

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Nota de falecimento

Campo Formoso, 25  de dezembro de 2010


“Louvado sejas meu Senhor, pela nossa irmã a morte corporal, da qual homem algum pode escapar.Felizes os que ela achar conforme à Tua Santíssima vontade, porque a segunda morte não lhes fará mal”
(São Francisco de Assis - Cantico das Criaturas)

Amados irmãos e irmãs, paz e bem!
 
É com triste pesar que comunico o falecimento de Osnan Almeida Novaes, jufrista da fraternidade Irmão Sol, Irmã Água, da cidade de Campo Formoso, ocorrido no dia 25 de dezembro de 2010, solenidade do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, na cidade de Campo Formoso, Ba. 
Vítimado por um acidente automobilistico, nosso irmão realizou o Encontro de Formação  Básica da JUFRA no final do mês de novembro, na cidade de Antonio Gonçalves, Ba.
Osnan terminou sua caminhada na terra e, por causa de nossa fé na ressurreição de Jesus, suplicamos ao Senhor sua misericórdia. Que o Senhor venha em seu auxílio e lhe conceda a luz e a paz eterna no convívio dos vossos santos e santas, entrando assim nas fileiras dos incontáveis bem- aventurados que buscaram viver como São Francisco de Assis: imitando o Cristo pobre, casto e obediente. Que o Senhor fortaleça, pela consolação da fé e pela esperança na vida eterna, a família entristecida, e recebam o apoio da Familia Franciscana do Brasil.
Certamente, não por acaso, Osnam fez sua Páscoa no Natal do Altissimo Deus.

Peçamos ao Pai pelo nosso irmão, para que ele continue intercedendo por toda a Familia Franciscana. Que o Onipontente, Altíssimo e Bom Senhor abençoe a todos nós, fortalecendo-nos em meio às diversidades e surpresas da vida.
Que Deus em sua infinita bondade o acolha em seus braços.

Atenciosamente, em nome de todos os jufristas do Regional NE B3- Bahia Norte
Renilson Souza
Fraternidade "Livres como Francisco"  Feira de Santana- Ba
Subsecretario Regional de Comunicação Social do Regional NE B3- Bahia Norte

Jornada Franciscana pelos Direitos Humanos promovida pela JUFRA do Brasil é notícia na TV Canção Nova

Mensagem de Natal e Ano Novo do Secretariado nacional da JUFRA do Brasil 2010

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Mensagem de Natal e Ano Novo da Secretária do Regional NE B3- Bahia Norte da JUFRA do Brasil




"Quisera ter as asas invencíveis de uma águia para atravessar as cordilheiras e gritar sobre as cidades: o Amor não é amado! O Amor não é amado! Como é que os homens podem amar uns aos outros se não amam o Amor?
(São Francisco de Assis)

Paz e Bem amados irmãos e irmãs!


 Natal, um momento doce e cheio de significado para as nossas vidas.
É tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida
e tudo que a cerca.
É momento de deixar nascer essa criança pura, inocente e cheia de esperança que mora dentro de nossos corações
.
É sempre tempo de contemplar aquele menino pobre, que nasceu numa manjedoura, para nos fazer entender
que o ser humano vale por aquilo que é e faz, e nunca por aquilo que possui.
Noite cristã, onde a alegria invade nossos corações trazendo a paz e a harmônia.

O Natal é um dia festivo e espero que o seu olhar possa estar voltado para uma festa maior, a festa do nascimento de Cristo dentro de seu coração.
Que neste Natal você e sua família sintam mais forte ainda o significado da palavra amor, que traga raios de luz que iluminem o seu caminho e transformem o seu coração a cada dia, fazendo que você viva sempre com muita felicidade.

Também é tempo de refazer planos, reconsiderar os equívocos e retomar o caminho para uma vida cada vez mais feliz.
Teremos outras 365 novas oportunidades de dizer à vida, que de fato queremos ser plenamente felizes.

Que queremos viver cada dia, cada hora e cada minuto em sua plenitude, como se fosse o último.
Que queremos renovação e buscaremos os grandes milagres da vida a cada instante.
Todo Ano Novo é hora de renascer, de florescer, de viver de novo.
Aproveite este ano que está chegando para realizar todos os seus sonhos!



Feliz Natal e Próspero Ano Novo !!!!

  São os sinceros votos de irmã sua Luciane Cardoso, em nome de todo o Secretariado Fraterno Regional  NE B3 - Bahia Norte da JUFRA do Brasil.
 
Amo todos vocês.


---
Atenciosamente,


Luciane Cardoso
Sec. Fraterna Regional
Fraternidade: Meu Verdadeiro Ideal
Rio Real - Ba.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Visita Fraterna do Secretário Nacional Alex Bastos ao Regional NE B3 – Bahia Norte

Da esquerda para a direita: Rogério Sena (Sub.DHJPIC), Renilson Souza(Sub.Comunicação Social), Alex Bastos (Sec. Nacional da Jufra), Luciane Cardoso (Sec. Regional da Jufra), Jamile Rocha (Sub. Escrituração), Adriana Azevedo (Sub. de Formação) e Valdenira Evangelista (Sub. de Ação Evangelizadora)
Nos dias 10, 11 e 12 de 2010, o secretário nacional da Jufra do Brasil, Alex Bastos, realizou a visita oficial ao Secretariado do Regional NE B3 – Bahia Norte, na cidade de Rio Real – Ba. Na sexta à noite, ele chegou à referida cidade, onde houve um momento formativo sobre a vivência em fraternidade com dinâmicas, cantos e palestras, depois um segundo momento para a avaliação da caminhada, esclarecimento de dúvidas e estabelecimento de metas, e em seguida, sob as bênçãos maternais de Nossa Senhora do Livramento, padroeira da cidade e de São Francisco de Assis, o secretário nacional e os irmãos Valdenira Evangelista da Silva, subsecretaria Regional de Ação Evangelizadora e Renilson Souza, subsecretário Regional de Comunicação Social, presidiram a Assembleia Eletiva da Fraternidade local “Meu verdadeiro ideal”. Fizeram-se presentes neste momento, Luciane Cardoso de Oliveira Secretária Fraterna Regional, Marleide Rocha da Silva Subsecretária Regional de finanças, Jamile Rocha da Silva Subsecretária Regional de escrituração, membros da OFS local, o pároco e o pároco local.
Na manhã de sábado, dia 11, dando continuidade a visita, ocorreu uma reunião dos representantes das fraternidades que compõem o Regional  com o secretário fraterno nacional. No primeiro momento, foram feitas as avaliação da situação atual das fraternidades locais, diversas reflexões e elaboração das metas para o que pode ser melhorado a nível local. No sábado, após a partilha do almoço e com a chegada do irmão Rogério Sena da Silva Subsecretário regional de DHJUPE (Direitos Humanos, Justiça, Paz e Integridade da Criação), deu-se inicio a reunião do secretariado regional. No primeiro momento, foram discutidas as dificuldades do Regional, logo após houve a indicação da irmã Adriana Azevedo, integrante da Jufra de Alagoinhas para o cargo de Subsecretária Regional de Formação. Logo após, foi discutido o calendário regional, traçaram-se metas para o ano de 2011 e por fim, houve um momento formativo presidido pelo irmão Alex Bastos sobre os 40 anos da Jufra no Brasil.

Encerramento da Jornada Franciscana pelos Direitos Humanos

No domingo pela manhã, ultimo dia do Encontro do Secretariado Regional, os irmãos vindos de outras cidades, juntamente com a fraternidade local, participaram da celebração eucarística na Igreja Matriz de Rio Real às 7 horas da manhã. Após o café partilhado na casa da Secretária Regional, Luciane Cardoso, os jufristas realizaram o encerramento da Jornada Franciscana pelos Direitos Humanos: todos os irmãos saíram em caminhada pelas ruas de Rio Real com o intuito de arrecadarem alimentos que serão distribuídos às famílias carentes da cidade no Natal do Senhor. Foram angariados cerca de 300 kg de alimentos que irão compor as cestas natalinas do Natal sem Fome realizado que já é realizado a alguns anos pela fraternidade “Meu verdadeiro ideal”  em parceria com a comunidade paroquial de Rio Real.

Momento de diversão com a fraternidade local "Meu verdadeiro ideal"

Assembléia Eletiva do secretariado local: de péem frente ao quadro Valdenira Evangelista - Sub. de Ação Evangelizadora e Renilson Souza - Sub. de Comunicação Social


Alguns membros da fratenidade Local e do Secretarido Regional NE B3 - Bahia Norte com Alex Bastos, Sec. nacional da Jufra do Brasil



O Secretariado local eleito com o Secretário Nacional e os integrantes do Secretarido Regional

Momentos da Reunião do Secretarido Regional, o Secretário Nacional Alex Bastos e os representantes das fraternidades locais


Idem

O secretárioNacional providenciando um transporte para a Jufra


Nossos jufristas fazendo acontecer a Jornada Franciscana pelos Direitos Humanos


Um dos grupos se preparando para começar a coleta de alimentos

As jufristas Nete e Jaqueline, da fraternidade de Rio Real e o secretário Regional de Comunicação Social, Renilson Souza

"Vinde, benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo! Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber; eu era estrangeiro e me recebestes em casa; eu estava nu e me vestistes; eu estava doente e cuidastes de mim; eu estava na prisão e fostes me visitar".











Nossos irmãos descansando um pouco do sol forte!

Abraço fraterno,
Renilson Souza
Subsecretário Regional de Comunicação Social
Regional NE B3- Bahia Norte da Jufra do Brasil



sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Visita Fraterna do Secretário Fraterno Nacional ao Regional NE B3- Bahia Norte e Encontro do Secretariado Regional

Nos dias  11 e 12 de dezembro de 2010, próximo final de semana, está prevista a visita do Secretário Fraterno Nacional, Alex Basto, ao Regional Ne B3- Bahia Norte. Ele se reunirá com o Secretariado Fraterno Regional e os secretários fraternos locais na cidade de Rio Real - Ba, para realização da avaliação da caminhada, esclarecimento de dúvidas e estabelecimento de metas para o biênio 2011/2012. Pedimos o empenho de todos os secretariados locais para o que façam o relatório situacional de cada fraternidade, acompanhada de uma apresentação em Slides e enviem o representante local para este momento de avaliação e planejamento de nossa caminhada.
Maiores informações, entrem em contato com a Secretária Fraterna Regional, Luciane Cardoso, pelo email: meuverdadeiroideal@hotmail.com   ou com a Subsecretaria Regional de Comunicação Social: jufraregionalneb3@hotmail.com

Abraço fraterno,
Atenciosamente, Renilson Souza
Subsecretário Regional de Comunicação Social
Regional NE B3- Bahia Norte

1ª Jornada Franciscana pelos Direitos Humanos é notícia pelo Brasil e no mundo

A 1ª Jornada Franciscana pelos Direitos Humanos promovida pelas subsecretarias nacional  regionais e locais de Direitos Humanos, Justiça, Paz e Integridade da Criação (DHJUPIC) é  notícia em diversos sites Católicos e de Movimentos Sociais pelo Brasil e no mundo. Dentre os sites de destaque, tem-se  o da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Rádio Vaticano noticiaram a realização da 1ª Jornada Franciscana de Direitos Humanos promovidada Subsecretaria Nacional de DHJUPIC. Mais um passo importante para a JUFRA do Brasil no sentido de divulgar o carisma franciscano.
As fraternidades devem se mobilizar para concretizar essa momento de divulgação do carisma franciscano.
Confira nos links abaixo:





















Encontro reúne jovens de todos os carismas e movimentos religiosos da Igreja no Brasil

Na próxima sexta-feira, 3, tem início no Centro de Mariápolis Ginetta, em Vargem Grande Paulista (SP), o 1º Encontro Nacional de Movimentos Juvenis (ENMJ). O evento, organizado pelo Setor Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), deve reunir 450 jovens e 50 adultos, lideranças nacionais de movimentos e congregações que trabalham com jovens de todo o Brasil.

“O encontro tem por objetivo celebrar a unidade da Igreja na diversidade de carismas”, antecipa o assessor do Setor Juventude, padre Carlos Sávio. Ainda de acordo com padre Sávio, o evento procura se aproximar das expressões juvenis presentes na Igreja no Brasil. “O Setor Juventude busca somar esforços para que todos juntos possam anunciar, com discernimento e responsabilidade, o Evangelho de Jesus”, completou padre Sávio.

Mais de vinte movimentos de expressão nacional já confirmaram presença, entre eles, o Segue-me, o Caminho Neocatecumenal, o Ministério Jovem da Renovação Carismática Católica, a Legião de Maria, as Equipes Jovens de Nossa Senhora, e outros. Também estarão presentes as congregações que caminham mais próximas do Setor Juventude Nacional, como a Articulação da Juventude Salesiana, a Pastoral Juvenil Marista, a Juventude Franciscana e os Vicentinos Jovens, além da Comissão Nacional de Leigos do Brasil, organismo da CNBB.

Também participarão do encontro os secretários nacionais das Pastorais de Juventude e representantes das Comunidades Novas com maior representação nacional, como a Comunidade Católica Shalom e Canção Nova.

O bispo auxiliar de Campo Grande (MS) e Referencial do Setor Juventude, dom Eduardo Pinheiro; e o bispo de Caraguatatuba (SP), dom Antônio Carlos Altieri, estarão presentes como assessores. O arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Pedro Scherer, presidirá a missa de abertura.
Durante o encontro, também ocorrerá o lançamento do site Jovens Conectados, que será a página oficial do Setor Juventude na internet e vai congregar notícias e informações sobre as várias expressões eclesiais dedicadas ao trabalho com os jovens.

Mais informações sobre o encontro, acesse http://www.encontromovimentos.wordpress.com ou entre em contato pelo e-mail: juventude@cnbb.org.br


(Fonte: http://www.cnbb.org.br/site/comissoes-episcopais/laicato/setor-juventude/5358-encontro-reune-jovens-de-todos-os-carismas-e-movimentos-religiosos-da-igreja-no-brasil)

CENSO 2010 - JUVENTUDE FRANCISCANA 2010

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL
Subsecretária Nacional de Comunicação Social e Escrituração e Arquivo
Largo São Francisco N.º 173 – Centro – São Paulo/SP
CEP: 01.005-010

Ofício – o2/2010
Fortaleza/CE, 01 de dezembro de 2010

Ao Secretariado Nacional da JUFRA do Brasil
Aos Secretariados Fraternos Regionais
A todas as Fraternidades Locais,
PAZ & BEM!

CENSO 2010 - JUVENTUDE FRANCISCANA 2010

Caros irmãos e irmãs, estamos iniciando o Censo 2010 da Juventude Franciscana do Brasil, em anexo, segue o Formulário Estatístico 2010 que deverá ser preenchido com os dados das fraternidades locais. Esse ano será adotando o repasse online das informações para o Nacional, cada fraternidade local deve enviar o formulário devidamente preenchido para o seu respectivo Secretariado Regional.

Os Regionais deveram de posse dos dados de suas fraternidades, acessar o formulário online que está no Blog da JUFRA do Brasil (www.jufrabrasil.blogspot.com) enviando individualmente as informações. É de fundamental importância o preenchimento do formulário estatístico, com base nele, poderemos obter informações precisas sobre o perfil da JUFRA do Brasil. As fraternidades locais não necessitam preencher o formulário online, essa responsabilidade é do secretariado regional. O prazo de preenchimento encerra-se no dia 15 DE JANEIRO DE 2011.

Fico a disposição para ajudar e tirar dúvidas que surgirem. Conto com o empenho de todos os Secretariados Locais, Regionais e membros do Nacional.

DOWNLOAD DO FORMULÁRIO PARA PREENCHIMENTO



Fraternalmente,
Thiago Costa Carvalho
Subsecretário Nacional de Comunicação Social e Escrituração e Arquivo da JUFRA do Brasil
Fraternidade Irmão Sol, Irmã Lua - Mossoró/RN
Skype: thcosta1
Tel: 85-9692-1238 / 84-8877-7723

(Fonte: http://jufrabrasil.blogspot.com/2010/12/censo-2010-juventude-franciscana-2010.html)

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Ação Evangelizadora da Fraternidade Irmão Sol e Irmã Lua: festa do dia das crianças na cidade de Campo Formoso

Jufristas de Campo Formoso
No dia 12 de outubro de 2010, dia da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida e também dia das crianças, a Fraternidade "Irmão Sol e Irmã Lua", da cidade de Campo Formoso - Ba, realizou uma ação evangelizadora em na "Casa Lar", instituição para onde são encaminhadas pelo Conselho Tutelar ou pelo Juizado de Menores, as crianças em siuação de risco na cidade de Campo Formoso. Foi um belo momento, onde ocorreu distribuição de presentes, muitas brincadeiras e promoção da vida. A confraternização foi encerrada com uma refeição fraterna entre as crianças e os jufristas. Que a alegria do Senhor continue motivando toda a Fraternidade "Irmão Sol e Irmã Lua" e o exemplos deles motive muitas outras ações de promoção da dignidade humana por parte de nossas Fraternidades.

Uiai!! Não era a hora de bater a foto ainda não!!
Todo mundo dizendo XIS!!!!!!!

Olha só como nossos jufristas são criativos!


Momento da dança da cadeira

As crianças esperando ansiosas pelos presentes



Abraço fraterno,
Renilson Souza
Subsecretário Regional de Comunicação Social
Regional NE B3- Bahia Norte da Jufra do Brasil

JUFRA do Brasil promove 1ª Jornada Franciscana Nacional pelos Direitos Humanos



No intuito de retomar a temática da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2010, a Juventude Franciscana (JUFRA) do Brasil realizará de 01 a 10/12 a 1ª Jornada Franciscana Nacional pelos Direitos Humanos, com o tema: “Por uma Economia a Serviço da Vida!” e o lema: “Nada de vós retenhais para vós mesmos!” (São Francisco de Assis).

A Jornada é coordenada pelas Subsecretarias Nacional, Regionais e Locais de Direitos Humanos, Justiça, Paz e Integridade da Criação (DHJUPIC) e será realizada anualmente entre os dias 01 e 10 do mês de dezembro, encerrando no dia 10 por ser o Dia Universal dos Direitos Humanos.

Ao longo dos dez dias da Jornada, as Fraternidades Locais da JUFRA estarão mobilizando-se em diversas atividades promovidas por elas mesmas ou por entidades parceiras. Encontros de formação, celebrações, gincanas, visitas solidárias, refeições fraternas e caminhadas estão entre algumas atividades previstas, de acordo com a realidade do lugar que a própria Fraternidade Local está inserida, mas sem fechar-se exclusivamente ao seu lugar social.

As atividades serão divulgadas nos blogs nacionais e regionais da JUFRA, com evidência no Blog da Subsecretaria Nacional de DHJUPIC: www.dhjupic.blogspot.com , onde constarão fotos e relatos das atividades realizadas. Um das atividades será a participação no Lançamento do Relatório nacional “Direitos Humanos Brasil 2010”, no dia 07/12, na cidade de São Paulo. O Relatório é produzido há onze anos por mais de trinta organizações e movimentos componentes da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos.

A Juventude Franciscana do Brasil entende que a defesa e promoção dos Direitos Humanos é parte integrante da sua missão evangelizadora de construir um mundo realmente justo, fraterno e igualitário, onde a Vida seja prioridade máxima.


Emanuelson (Elson) Matias de Lima
Sub Nac de DHJUPIC da JUFRA do Brasil